Terça-feira, 14 de Julho de 2009

Descendentes da "Ferreirinha" estreiam sofisticada adega na próxima vindima

A Quinta do Vallado, junto à Régua, estreia na próxima vindima, em Setembro, uma sofisticada adega que representa um investimento de cinco milhões de euros e permite duplicar a capacidade de produção para as 600 mil garrafas.

À nova adega, o Vallado junta uma nova quinta com 40 hectares no Douro Superior e um novo edifício com oito quartos para o Enoturismo. O valor total de investimentos ronda os oito milhões de euros.

A Quinta do Vallado é gerida pela dupla Francisco Ferreira (gestão agrícola e administrativa) e João Álvares Ribeiro (área comercial), que conta com a ajuda do enólogo Francisco Olazabal. São todos familiares e descendentes de Dona Antónia Adelaide Ferreira, que viveu no século XIX e historicamente ficou conhecida como a "Ferreirinha", empresária que dedicou a sua vida à cultura da vinha e à produção de vinho, no Douro.

João Álvares Ribeiro afirma que a adega representa o "maior investimento da história desta propriedade", implantada nas encostas do rio Corgo.

A capacidade de produção actual de 300 mil pipas esgotou-se em 2008, devido à crescente procura dos vinhos nos cerca de 30 mercados em que a Vallado está presente.

 


Agora, segundo Francisco Ferreira, a nova adega permitirá duplicar a produção para as 600 pipas e introduzir a "melhor tecnologia actualmente existente para a produção de vinhos".

São dois edifícios, cada um com cerca de 1000 metros quadrados, onde ficarão instalados o armazém de fermentação e a cave de barricas (envelhecimento), num projecto assinado por Francisco Vieira de Campos.

Esta cave que, segundo Francisco Ferreiro, terá total isolamento e humidade controlada, vai ter capacidade para 1000 barricas.

Na zona de fermentação, haverá seis lagares de granito para pisa a pé com vista à produção de vinhos do Porto e lotes especiais de vinho de mesa, e estará equipada com robot de remontagem automática, quatro balseiros de 6800 litros para fermentação e armazenagem de tintos, 35 cubas de fermentação, linha de engarrafamento e prensa de vinhos brancos.

Francisco Ferreira frisou que a ideia é aproveitar ao máximo a inclinação característica dos terrenos durienses, recorrendo à gravidade para tornar menos dispendioso o processo de vinificação.

As uvas vão cair por gravidade nas cubas de fermentação em inox.

Do projecto faz ainda parte a construção de uma Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR), que vai custar 400 mil euros.

O Vallado vai abrir um novo espaço para recepção de visitantes, onde estará disponível uma loja de vinhos e espaço multimédia para apresentações e provas de vinhos.

João Álvares Ribeiro salientou ainda a aposta no Enoturismo, com a construção de raiz de um novo edifício, com oito quartos, num projecto também do arquitecto Francisco Vieira de Campos.

Actualmente, o Vallado dispõe de cinco quartos para turismo, de uma cozinha preparada para cursos de culinária, além de piscina e barcos para passeios no rio Douro.

 

Expresso | 10-07-2009

 

publicado por Baco às 23:07
link do post | comentar | favorito

»Pesquisar neste blog

 

»Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


»Posts recentes

» Paulo Machado substitui M...

» LABORATÓRIO REGIONAL DE E...

» Descendentes da "Ferreiri...

» Regulamentados apoios à r...

» Vinho do Porto junta-se a...

» Os melhores são cada vez ...

» Vinhos fechados a cadeado

» O melhor vinho do mundo é...

» Novo Vinho do Porto - CRO...

» DOENÇAS DO LENHO DA VIDEI...

»Arquivos

» Março 2010

» Outubro 2009

» Julho 2009

» Fevereiro 2009

» Janeiro 2009

» Abril 2008

» Março 2008

» Fevereiro 2008

»Nº visitas

Web Counter
Free Counter

»Links

blogs SAPO